H&M e Nike, uigures e um boicote massivo na China 

Consegue pensar na relação disso tudo? Pois é. A princípio, parece um pouco complicado, mas a coisa é séria e não se trata de um fato isolado.

Nike, H&M e outras grandes marcas estão enfrentando um boicote na China, depois de manifestarem-se contra uma situação política do país, que você já conhece bem. O suposto caso de genocídio contra os uigures.

Contexto… Estima-se que mais de 1 milhão de uigures — chineses de etnia muçulmana — estejam atualmente detidos em “campos” de trabalho de doutrinação política e antirreligiosa a mando do governo chinês.

Ok, mas onde entram as marcas? Aparentemente, boa parte desse trabalho se dá em campos de cultivo de algodão, matéria-prima para produção de roupas e ambas, H&M e Nike, criticaram a conduta dos chineses e afirmaram que iriam cortar relações com fornecedores da região onde ficam os “campos”.

Resultado: a população chinesa — especialmente jovens e celebridades — esquematizou um boicote geral nas redes sociais que resultou em coisas como as que você vai ler agora:

  1. Primeiro, os produtos da H&M foram removidos dos maiores sites de e-commerce do país;

  2. Um pouco depois, o aplicativo de celular da empresa também foi banido de celulares Huawei, Xiaomi e Tencent.

  3. Se não bastasse, o Didi — similar ao Uber, mas Chinês — está proibido de deixar passageiros na porta de lojas da H&M, que desapareceram do Apple Maps da China.

  4. Mais de 50 celebridades chinesas também cancelaram contratos com a varejista sueca e com Nike e Adidas, que também estão sendo duramente criticadas por lá.

O impacto? Enquanto boa parte do mundo ainda enfrenta restrições pandêmicas, os varejistas projetaram a China como grande alavanca para o ano de 2021. Para se ter uma ideia, a H&M possui mais de 500 lojas no país.

Ocidente x Oriente: Especialistas dizem que multinacionais precisarão repensar a forma como promovem suas marcas e empresas na China. Talvez o caminho seja o que fez a ByteDance, que tem duas versões do TikTok, sendo uma para o mundo e outra para a China.

O que mais é destaque no cenário mundial?

Deixe uma resposta