É possível ficar bilionário vendendo cursos online? 

Sim. Vamos provar e nem precisa arrastar pra cima. Mas, antes, precisamos ressaltar que ontem foi um grande dia para os empreendedores digitais brasileiros. A Hotmart, plataforma mineira conhecida por vender cursos online, oficializou o recebimento de um belo aporte no valor de R$ 735 milhões.

O que chama atenção? Tirando o valor, quem fez o cheque. A rodada foi liderada pelo fundo americano TCV, que também é investidor do Nubank, da Netflix e do AirbnbHaja pão de queijo para comemorar… risos.

  • Fundada por @jpresen e Mateus Bicalho em 2011, a empresa foi pioneira na venda de infoprodutos e cursos online no Brasil, não só comercializando, mas ajudando em toda a gestão para os produtores de conteúdo;

  • Atualmente, a empresa tem cerca de 1.300 funcionários em 12 escritórios ao redor do mundo, incluindo EUA, Brasil, Espanha e até na Holanda.

Por que agora? Talvez porque a Hotmart viu um crescimento de 75% no número de produtores que criam produtos em sua plataforma, desde o início da pandemia. No mesmo período, os vendedores (afiliados) dobraramestimulados pelo desemprego e pela demanda de pessoas querendo aprender online. EAD is the new gold?

CuriosidadeO Brasil é o 5º país do mundo em número de unicórnios — empresas avaliadas em mais de U$ 1 bilhão — e a Hotmart é o único de origem mineira. Apesar disso, dentre os unicórnios, existem outros dois fundados por mineiros: Quinto Andar e Gympass.

E o que fazer com tanto dinheiro? De acordo com a Hotmart, o valor captado será utilizado para continuar o seu processo de crescimento internacional, melhorar ainda mais o produto e continuar adquirindo outras empresas — três foram compradas por eles em 2020.

O que mais é destaque em tecnologia?

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

mais inteligente em 5 minutos

tudo que você precisa saber pra começar seu dia bem e informado

INDICADOS PARA VOCÊ

NEGÓCIOS

Avisa lá que a Audi voltou

Q3 de volta. Ontem, a Audi anunciou um investimento de R$ 100 milhões para retomar a produção de seus veículos no Brasil, depois