Todo mundo quer ser o Clubhouse 

Desculpe-nos a insistência no tema. Acontece que, a cada dia que passa, as redes sociais estão mais engajadas em criar uma experiência similar a que todos viram com o Clubhouse.

Você já sabe que o Facebook está desenvolvendo sua própria feature — Zuck já falou que não vai ser um novo app e será para o Clubhouse o que os Stories foram para o Snapchat — e que o Twitter também criou algo bem similar, para não dizer igual ao aplicativo de áudio.

O que talvez você não saiba… A Microsoft, por meio de uma de suas empresas, o LinkdIn, anunciou que está desenvolvendo uma ferramenta que permitirá que usuários possam conversar em salas de áudio.

Mas qual o diferencial? Pensando como usuário, uma espécie de Clubhouse dentro do LinkedIn será, certamente, mais profissional, com foco em geração de negócios e oportunidades, com menos entretenimento. Até porque uma sala de imitações de personagens de desenho não combina muito com uma rede social utilizada para recrutamento.

Com mais de 55 milhões de empresas listadas no site e 14 milhões de vagas abertas, estima-se que três pessoas sejam contratadas por meio do LinkedIn a cada minuto.

Ainda nessa semana, o Spotify foi outra companhia que se movimentou na direção de ter uma espécie de “Clubhouse” em seu aplicativo, ao comprar o Locker Room, especializado em salas de bate papo em voz ao vivo, mas com foco em esportes.

  • A companhia acredita que pode aproveitar boa parte da estrutura tecnológica — desde o produto até a equipe de desenvolvedores — e otimizar a experiência dos ouvintes de podcast. Parece que a empresa escutou você dizendo que as salas do Clubhouse eram melhores que um podcast gravado. risos.

Zoom out: O desafio de qualquer rede social continua sendo atrair, engajar e reter seus usuários. Quanto mais opções no mercado em um determinado formato, mais difícil fica. O Twitter já tem pensado nisso nos Estados Unidos e tem feito algo interessante…

  • Para estimular o Spaces, a empresa tem dado para alguns usuários o selo de “Verified” — aquele azulzinho que os famosos possuem — como forma de recompensa por usarem a funcionalidade. Vamos só ver onde isso vai parar…

Bônus: Aqui está uma análise bem legal sobre o crescimento do Clubhouse, que originou tudo isso. É só clicar. Ontem, inclusive, seus fundadores fizeram uma apresentação exclusiva para os brasileiros, destacando a nossa relevância para o app.

Deixe uma resposta