“A Sociedade do Cansaço” versão pandemia

A agenda dos profissionais de saúde mental está tão cheia quanto os cinemas na pré-estreia de Crepúsculo em 2008. O motivo você já sabe… A pandemia.

Apesar da demanda ter crescido de imediato em março do ano passado, ela tem aumentado ainda mais nesse segundo ano pandêmico.

As incertezas e as medidas restritivas aumentaram as taxas de depressão, ansiedade e insônia. Com isso, cresceu também o número de pacientes atendidos, especialmente de forma remota.

Em números: O mercado global de telessaúde — que é diferente de telemedicina — deve chegar a US$ 312 bilhões até 2026. Só em 2020, empresas virtuais de saúde receberam 1,8 bilhão de dólares em investimento.

A Zenklub, por exemplo, startup brasileira de terapia online, que também atende a companhias preocupadas com seus funcionários, viu a procura quase triplicar em janeiro e fevereiro de 2021Muitas empresas estão atentas a esse aspecto:

Por que é relevante? Além da importância do bem-estar, 80% dos CEO’s americanos acredita que problemas na saúde mental dos trabalhadores afetam negativamente os resultados da companhia. 92% deles relatou que suas empresas aumentaram o foco nesse quesito.

De modo geral, o uso do teleatendimento foi ampliado e esse modelo se estabeleceu, mas ainda enfrenta algumas dificuldades: quantidade de profissionais disponíveis, custos da consulta, estigmas com o formato e com a procura por ajuda de um modo geral.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

mais inteligente em 5 minutos

tudo que você precisa saber pra começar seu dia bem e informado

INDICADOS PARA VOCÊ

NEGÓCIOS

Avisa lá que a Audi voltou

Q3 de volta. Ontem, a Audi anunciou um investimento de R$ 100 milhões para retomar a produção de seus veículos no Brasil, depois