Os débitos estudantis nos EUA e o plano de Biden

Se há algo que vem tirando o sono de Joe Biden é o débito dos estudantes universitáriosAtualmente, 45 milhões de americanos devem mais de 1,7 trilhão de dólares em empréstimos estudantis.

  • Culturalmente, milhares de jovens que entram na faculdade assinam uma dívida para o resto da vida em troca de um diploma.

Para se ter uma ideia, os débitos estudantis, além de serem os que crescem mais rápido no país, já excederam a dívida de cartão de crédito por lá, que representa mais de US$ 800 bilhões.

Mas pra que falar nisso? Basicamente, porque o presidente americano está próximo de perdoar boa parte dessa dívida — sua ideia é cancelar 50 mil dólares para cada um dos devedores de instituições de ensino públicas — e isso confirmaria o tom assistencialista atual da maior economia mundial, enviando um sinal para todo o mundo.

Por que Biden quer fazer isso? Segundo os especialistas e assessores do presidente americano, o cancelamento de dívidas de estudantes poderia estimular o consumo e a economia, além de aumentar a riqueza das famílias mais necessitadas.

Qual o risco? Por outro lado e não menos importante, é bom se lembrar que alguém vai ter que pagar essa conta e provavelmente será a maioria — 80% dos adultos americanos — que não possui nenhum débito estudantil. Há quem diga, inclusive, que a medida vai acelerar a inflação nos Estados Unidos.

🇺🇸 Já que falamos nos americanos… Na sexta, um homem avançou com um veículo contra a barreira de segurança do Capitólio — o prédio do Congresso americano — atropelando policiais e causando uma morte. A motivação do atentado ainda não está clara.

O que mais é destaque pelo mundo?

Deixe uma resposta