O antitruste chinês e o mix de vacinas

O ano de 2020 não foi só o ano da COVID-19. Foi também quando aconteceram as importantes audiências antitruste contra as grandes empresas de tecnologia dos EUA (Amazon, Apple, Google, Facebook…). Achou que as companhias chinesas fossem ficar fora disso? Achou errado.

O órgão chinês responsável por reprimir o comportamento anticompetitivo das empresas — que cria grandes monopólios — está cada vez mais adicionando pessoas e recursos para combater essas práticasO alvo da vez? Alibaba.

Supostamente, o Alibaba exigia que os comerciantes que usavam sua plataforma vendessem exclusivamente ali, proibindo-os de usarem seus concorrentes.

Zoom Out: A multa reforça a ideia de que o setor de tecnologia, que cresceu por anos sem grande fiscalização, agora, está na mira dos reguladores.

Mudando de assunto… A vacina chinesa e sua eficácia

Ontem, o principal funcionário do controle de doenças da China disse que a eficácia das vacinas chinesas é baixa e que o governo está considerando misturá-las para obter um reforço.

Talvez ainda seja cedo para se preocupar, mas um fato é que a maioria das vacinas brasileiras tem componentes de lá. Veremos os próximos pronunciamentos e medidas vindas de Beijing.

O que mais é destaque no cenário mundial?

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

mais inteligente em 5 minutos

tudo que você precisa saber pra começar seu dia bem e informado

INDICADOS PARA VOCÊ

NEGÓCIOS

Avisa lá que a Audi voltou

Q3 de volta. Ontem, a Audi anunciou um investimento de R$ 100 milhões para retomar a produção de seus veículos no Brasil, depois