Campanha #SaveRalph e o recado para o mercado de cosméticos

Durante o final de semana, uma campanha denominada #SaveRalph surgiu na internet, despertando as mais variadas emoções em milhares de pessoas e chamando atenção para uma causa que há muito parecia não estar tão aquecida.

Qual a pauta? Animais cobaias. Por meio de um vídeo altamente produzido, um coelho chamado Ralph é entrevistado tal como se fosse um homem, respondendo com inteligência e discernimento sobre a vida de um animal sujeito a testes de produtos para consumo humano.

Explicando melhor… Estima-se que a cada ano, mais de 100 milhões de animais — incluindo camundongos, ratos, sapos, cães, gatos, coelhos, hamsters, macacos e peixes — sejam mortos em laboratórios americanos para fins de estudo científico e testes de produtos químicos e cosméticos, o grande foco da campanha.

Deu certo? Bem… A comoção foi tamanha que, nos últimos 5 dias, as buscas no Google pelo termo “Animal Testing” chegaram ao maior nível desde 2016. Inclusive, em buscas relacionadas, é possível ver que uma outra pesquisa entrou em jogo: “Quais companhias usam animais para testar produtos”.

Aqui é que entra o consumo… Como consequência da campanha, postagens começaram a expor as marcas de cosméticos que utilizam animais na jornada de testes de seus produtos e, como você pode imaginar, já que estamos na era do cancelamento, o resultado não foi outro, se não o da divisão.

  • De um lado, estão as marcas que são “livres de crueldade” e não utilizam animais para teste em nenhuma parte da cadeia, desde os ingredientes até o produto acabado.
  • No oposto, ficaram as marcas que não são se incluem na hashtag #CrueltyFreeBrands, como NARS, Mac, L’Oreal, Lancôme, Avon e outras grandes empresas.

Expandindo o foco…

Embora a prática seja proibida em 40 países, algumas leis ainda exigem testes em animais como pré-requisito para aprovação de um produto e isso torna a solução mais complexa que uma comoção mundial, apesar de ser uma bela faísca inicial.

Por que é relevante? As novas gerações estão cada vez mais preocupadas com sustentabilidade, diversidade e questões similares, no que tange ao que consomem. Responder ao apelo popular em casos assim, torna-se uma questão financeira para as marcas.

Indo ainda mais além… Se analisarmos o contexto todo, o bem estar de animais envolve muito mais que a testagem em cosméticos e produtos. Há outras causas que podem ser englobadas nesse universo, que vão do consumo de carne até a compra de cachorros de raça.

De qualquer forma, deixaremos o link do vídeo para que você assista. É bem forte. Basta clicar.

Deixe uma resposta