O Brasil fala de outra coisa? 🇧🇷

Ontem foi mais um dia de CPI, mas sem depoimento de político. Quem falou foi Carlos Murillo, executivo da Pfizer. O que ele disse?

  1. Antes de assinar o contrato, a Pfizer tentou vender, por 6 vezes, a vacina contra a COVID-19 ao governo brasileiro, entre agosto de 2020 e fevereiro de 2021.
  2. O cronograma inicial previa a entrega de 1,5 milhão de doses ainda em 2020 e outras 2,5 milhões até março deste ano.
  3. Sobre as cláusulas do contrato — como, por exemplo, a questionada responsabilidade sobre os efeitos colaterais — Murillo disse que elas foram assinadas pelos 110 países com os quais a Pfizer firmou as vendas.

Ainda sobre a CPI da COVID-19… O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, vai depor na próxima semana. A Advocacia Geral da União, então, entrou com um pedido de habeas corpus. A ideia é que ele compareça, mas possa ficar em silêncio.

Novos testes de vacina no Brasil

A Anvisa autorizou, ontem, que a vacina Covaxin comece a ser testada clinicamente no Brasil. Quem pediu por isso foi a Precisa Medicamentos, parceira brasileira da farmacêutica indiana que desenvolveu a vacina.

  • Serão 4.500 voluntários por aqui se juntando a mais 26.300 na Índia. Este é o sétimo imunizante autorizado a fazer estudo clínico de fase 3 no Brasil.

Lembrando… No final de março, a Anvisa rejeitou um pedido do Ministério da Saúde para importar a Covaxin, pontuando que a fabricante não comprovou a eficácia e a segurança do imunizante.

O que mais é destaque no cenário nacional?

Deixe uma resposta