Paulo Guedes sob pressão

Desde que a segunda etapa da reforma tributária foi apresentada pelo governo federal, ela vem sendo criticada. Especialistas dizem que os impostos vão aumentar, mas a arrecadação pode, até mesmo, diminuir. Ontem, inclusive, a gestora do renomado Luis Stuhlberger disse que o texto enviado pelo governo pode ser um “tiro no pé”.

O projeto em dois pontos principais:

  • O Imposto de Renda para PJ (empresas) diminuiria de 25% para algo próximo de 20%, e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido permaneceria em 9%.

  • Em compensação, os lucros e dividendos — que hoje são isentos de impostos — seriam taxados em 20%.

Com isso, o mercado teme que a carga tributária para as empresas e os sócios aumente. Com tamanha pressão, Paulo Guedes disse que pode reduzir ainda mais o IRPJ, mas aliada à retirada de benefícios e subsídios federais.

Já em relação aos dividendos, Guedes diz que é muito difícil você explicar que esse imposto gira em torno de 20 a 40% no mundo inteiro, e no Brasil é zero.

Outro fator que o mercado não gostou foi a complicação. Para muitos, as mudanças dificultam o já confuso e complexo sistema tributário brasileiro, além de atrapalhar o crescimento já que muitas empresas passariam a reter os lucros, ao invés de distribuir.

O que será que mais é importante no mercado financeiro?

the news 📬

Mais inteligente em 5 minutos. Somos um jornal gratuito e diário, que tem por objetivo te trazer tudo que você precisa saber para começar o seu dia bem e informado.

Notícias, de fato, relevantes sobre as principais atualidades do mundo, do Brasil, tecnologia e do mercado financeiro, sempre nessa ordem.

Direto na sua caixa de entrada do e-mail favorito, sempre às 06:06. É gratuito, mas pode viciar.

Para se inscrever, clique aqui.

Deixe uma resposta