Premiê do Haiti renuncia ao cargo, passando poder a Ariel Henry

O Haiti terá hoje um novo comandante. Menos de 15 dias após assumir o governo, Claude Joseph está passando o controle do país para Ariel Henry, um médico nomeado pelo ex-presidente como futuro primeiro-ministro dois dias antes do assassinato.

Por que a mudança? Primeiro, para acabar com o caos que assombra o país, que não tem um parlamento e nenhum processo de sucessão viável. O novo governo não terá a figura de um presidente e tem a tarefa de organizar novas eleições.

Além disso, a troca segue uma “orientação” internacional

No sábado, um grupo informal de embaixadores internacionais — incluindo representantes de EUA, Canadá, Alemanha, Brasil e vários países da União Europeia — declararam apoio à criação de um novo governo, e que o Henry liderasse isso.

Dois dias depois, Claude Joseph afirmou ao maior jornal do país que está deixando o cargo, mas que irá permanecer no novo governo, como ministro das Relações Exteriores.

Why it matters? O Haiti é o país mais pobre da América e está mergulhado em uma das piores crises políticas e de segurança do continente. Um movimento errado, como pode ser considerada a passagem da liderança para alguém que o ex-presidente indicou, pode causar ainda mais erupção nas ruas.

O que mais é destaque pelo mundo?

the news 📬

Mais inteligente em 5 minutos. Somos um jornal gratuito e diário, que tem por objetivo te trazer tudo que você precisa saber para começar o seu dia bem e informado.

Notícias, de fato, relevantes sobre as principais atualidades do mundo, do Brasil, tecnologia e do mercado financeiro, sempre nessa ordem.

Direto na sua caixa de entrada do e-mail favorito, sempre às 06:06. É gratuito, mas pode viciar.

Para se inscrever, clique aqui.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

mais inteligente em 5 minutos

tudo que você precisa saber pra começar seu dia bem e informado

INDICADOS PARA VOCÊ

MUNDO

Nem vem com essa, COVID

Cientistas da África do Sul identificaram uma nova variante do COVID-19, com um número “muito incomum” de mutações, e temem