A Uber e o aborto

Na última semana, noticiamos a nova lei antiaborto que entrou em vigor no Texas. Um dos pontos é que os cidadãos podem processar alguém por “ajudar” em um aborto — incluindo o motorista que levou a mulher até a clínica, por exemplo.

  • Com isso, a Lyft e a Uber, dois aplicativos de carona, anunciaram que vão pagar por todo o processo legal de qualquer motorista processado sob a lei. 

A Lyft disse que os motoristas não são responsáveis ​​por monitorar aonde seus pilotos vão ou o motivo da viagem, ao mesmo tempo que os passageiros não precisam se justificar.

E não foram só os aplicativos de carona…

Os apps de relacionamento, como o Bumble e o Match Group (dono do Tinder), foram pioneiros no posicionamento contra a nova lei.

Por que é relevante? Enquanto muitas outras empresas se recusaram a comentar sobre a lei — como a American Airlines e a Dell, que tinham criticado as leis de voto restritivas — essas companhias decidiram se posicionar e até perder alguns clientes, já que a questão do aborto é uma das mais polêmicas no país.

the news 📬

Mais inteligente em 5 minutos. Somos um jornal gratuito e diário, que tem por objetivo te trazer tudo que você precisa saber para começar o seu dia bem e informado.

Notícias, de fato, relevantes sobre as principais atualidades do mundo, do Brasil, tecnologia e do mercado financeiro, sempre nessa ordem.

Direto na sua caixa de entrada do e-mail favorito, sempre às 06:06. É gratuito, mas pode viciar.

Para se inscrever, clique aqui.

Deixe uma resposta