Manifestantes do MTST invadem a Bolsa de Valores

Parece IPO, mas não é. É o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MTST), que fez algo inédito ontem e invadiu o salão principal da B3 — estrutura física da Bolsa de Valores no Brasil.

O motivo? Protestar contra a fome, a desigualdade e a inflação. O ato pacífico durou pouco mais de uma hora e não interrompeu a operação do pregão, ou seja, investidores continuaram comprando e vendendo ações.

Os dois lados da moeda:

Guilherme Boulos, utilizou sua conta no Twitter — que é uma companhia listada na Bolsa de Valores americana — para comemorar o feito.

O argumento é que, na Bolsa, toda a riqueza do Brasil é negociada e é onde são formados os bilionários do sistema à custa da nossa pobreza.

Especialistas do mercado financeiro — que ganham dinheiro ensinando pessoas a investir —, por outro lado, questionaram a medida afirmando que a Bolsa só contribui para a prosperidade do país.

Segundo eles, quando uma empresa capta recursos com o mercado para expandir seus negócios (IPO), ela gera mais empregos e cria novas oportunidades.

Zoom out: Independente disso, a inflação continua subindo e o IPCA — que mede a variação dos preços de um conjunto de produtos e serviços mais consumidos pelas famílias brasileiras — teve a maior alta no último mês em 21 anos.

Além disso, o que mais é destaque no país nessa sexta-feira?

the news 📬

Mais inteligente em 5 minutos. Somos um jornal gratuito e diário, que tem por objetivo te trazer tudo que você precisa saber para começar o seu dia bem e informado.

Notícias, de fato, relevantes sobre as principais atualidades do mundo, do Brasil, tecnologia e do mercado financeiro, sempre nessa ordem.

Direto na sua caixa de entrada do e-mail favorito, sempre às 06:06. É gratuito, mas pode viciar.

Para se inscrever, clique aqui.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

mais inteligente em 5 minutos

tudo que você precisa saber pra começar seu dia bem e informado

INDICADOS PARA VOCÊ

MUNDO

Nem vem com essa, COVID

Cientistas da África do Sul identificaram uma nova variante do COVID-19, com um número “muito incomum” de mutações, e temem