Depois de mais de 50 anos, 32 empresas são abertas em Cuba

Mudança no jogo. Nesta semana, mais de meio século depois do confisco de empresas privadas, o Ministério da Economia de Cuba anunciou a aprovação das primeiras 32 micro, pequenas e médias empresas não estatais do país.

A reforma: O governo cubano aplicou uma medida que autoriza a criação de novos atores econômicos (pessoas jurídicas) para exercer suas atividades.

Grande parte das companhias virá dos trabalhadores autônomos do país — mais de 600 mil —, que, até então, eram a única forma de trabalhar no setor privado.

  • Quais são os segmentos dos novos negócios? As empresas estão divididas entre produção de alimentos, indústria, atividades de reciclagem e tecnologia.

Até agora, nenhum dos pedidos para abertura de empresas privadas foi negado, mas não se pode criar companhias em setores considerados “estratégicos” para o Estadocomo saúde, telecomunicações, energia, defesa e imprensa.

Qual a relevância? Essa mudança altera drasticamente as regras do jogo da economia de Cuba — que é 85% estatal. Isso acontece depois de uma crise agravada pela pandemia, que levou os cubanos às ruas em protestos históricos contra o sistema.

Outros destaques ao redor do mundo:

the news 📬

Mais inteligente em 5 minutos. Somos um jornal gratuito e diário, que tem por objetivo te trazer tudo que você precisa saber para começar o seu dia bem e informado.

Notícias, de fato, relevantes sobre as principais atualidades do mundo, do Brasil, tecnologia e do mercado financeiro, sempre nessa ordem.

Direto na sua caixa de entrada do e-mail favorito, sempre às 06:06. É gratuito, mas pode viciar.

Para se inscrever, clique aqui.

Deixe uma resposta