O jogo está virando no mercado automotivo

Elon is happy. A Tesla acaba de quebrar um recorde de entrega de mais 240 mil veículos elétricos no terceiro trimestre deste ano, na contramão das montadoras tradicionais, que experimentaram queda nas vendas no mesmo período.

O recorde ocorre em um momento em que gigantes do setor passam por problemas de oferta e demanda, chegando à paralisação na produção de alguns modelos, ocasionando o aumento dos preços de todos os veículos.

  • A GM (Chevrolet), por exemplo, vendeu 446.997 veículos nos EUA, o que representa uma queda de 33% nas vendas de novos modelos em comparação com o mesmo trimestre do ano passado.

Tech-Smart. A Tesla vem driblando a crise dos chips — que já falamos aqui — ao comprar diferentes tipos de processadores e reescrever o software utilizado em seus produtos para funcionarem com a tecnologia disponível.

O que mais surpreendeu?

Mudança no padrão de consumo. A Tesla viu as entregas crescerem mais de 70% em relação ao mesmo período do ano passado, o que reflete um crescimento significante na demanda pelos novos modelos de carros movidos a bateria.

Na mesma linha… Na Europa, a Noruega também bateu seu próprio recorde e registrou, em setembro, a maior venda de veículos elétricos em um mêsNo total, 77,5% dos novos carros vendidos foram dessa categoria — +30% foram da Tesla.

the news 📬

Mais inteligente em 5 minutos. Somos um jornal gratuito e diário, que tem por objetivo te trazer tudo que você precisa saber para começar o seu dia bem e informado.

Notícias, de fato, relevantes sobre as principais atualidades do mundo, do Brasil, tecnologia e do mercado financeiro, sempre nessa ordem.

Direto na sua caixa de entrada do e-mail favorito, sempre às 06:06. É gratuito, mas pode viciar.

Para se inscrever, clique aqui.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

mais inteligente em 5 minutos

tudo que você precisa saber pra começar seu dia bem e informado

INDICADOS PARA VOCÊ

MUNDO

Nem vem com essa, COVID

Cientistas da África do Sul identificaram uma nova variante do COVID-19, com um número “muito incomum” de mutações, e temem