A internet quer comprar a Constituição americana

Viu isso? No ano de 1787, a Constituição dos Estados Unidos foi redigida por um grupo de homens, que depois de 4 meses, concluíram o texto que até hoje direciona a nação mais forte do mundo.

Naquela época, foram feitas as primeiras 500 cópias do texto original e somente 13 delas ainda existem e são conhecidas. Ocorre que, dentre essas originais restantes, apenas duas estão na posse de pessoas físicas, ao invés do Estado.

A partir daí, a internet se movimentou…

Há aproximadamente 5 dias, um grupo de pessoas teve a ideia de comprar a peça da Constituição original em conjunto, através de uma espécie de crowdfunding e criptomoedas.

  • “We’re buying the Constitution and it will be governed by the people”, diz o site. Ninguém poderá ficar com o documento, mas todos ganharão tokens não fungíveis digitais (NFT).

O resultado? 5 milhões de dólares — ou 30% do valor desejado — foram captados em menos de 48 horas. O dinheiro está sendo arrecadado em Ethereum, uma criptomoeda bem conhecida e utilizada nos NFTs. O leilão acontece amanhã.

Por que te contamos tudo isso?

Boa pergunta. Mais que um fato interessante, a iniciativa nos dá alguns indícios do que a internet tem percebido como valor e pistas de uma nova realidade. Pense que vários estranhos entre si conseguiram gerar mais de 25 milhões de reais em 2 dias.

Tudo isso em prol de um objetivo comum. Podemos assimilar, por exemplo, com o ataque de mini-investidores do Reddit à GameStop no início do ano, que elevou a ação a níveis nunca antes vistos.

Takeaway: Há um mercado paralelo em que as pessoas realmente estão dispostas a pagar para deter parte ou o todo de algo que só existe online (ativos digitais) — mesmo desejo de colecionadores do mundo real. Não menospreze isso.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

mais inteligente em 5 minutos

tudo que você precisa saber pra começar seu dia bem e informado

INDICADOS PARA VOCÊ

MUNDO

Nem vem com essa, COVID

Cientistas da África do Sul identificaram uma nova variante do COVID-19, com um número “muito incomum” de mutações, e temem