A fintech que te empresta dinheiro pra rodar anúncios

💰 Modelo de negócios

Falta dinheiro para anunciar online? A Divibank foi criada pensando em te ajudar. A fintech concede crédito para pequenas e médias empresas (PMEs) investirem em campanhas de marketing digital — como Google Ads e Facebook Ads.

  • Mensalmente, a empresa realiza os financiamentos, depositando os valores diretamente na conta de anúncios das empresas.

Os empréstimos são pagos a partir de revenue sharing, ou seja, parcelas que representam um percentual da receita futura da empresa.

Esse percentual é determinado pelo tamanho da empresa cliente e de sua receita, o que também se aplica aos juros, que vão de 1% a 4% ao mês.

👫 Quem está por trás desse negócio?

A Divibank foi fundada em fevereiro de 2020 por Jaime Taboada e Rebecca Fischer. (Ao clicar, você vai pro LinkedIn deles).

📈 Recebeu investimentos?

  • Seed: de US$ 3,6milhões, que contou com os investidores Better Tomorrow Ventures, MAYA Capital, Village Global, Clocktower Ventures, Gilgamesh Ventures, Magma Ventures, Rally Cap. (maio/2021).

🙋‍♂️🙋‍♀️ Maior desafio

“Nosso maior problema atual é a educação do mercado/cliente. Uma vez que o modelo de negócio é disruptivo (ou novo) e não existe outra empresa no Brasil, nossa maior dificuldade é explicar o funcionamento e todas as vantagens para nosso clientes.”

🔮 Nossa análise

Na pandemia, quem vendia no físico foi obrigado a se digitalizar e vender online. Segundo Rebecca Fischer, 70% das empresas venderam online em 2020

PMEs muitas vezes não têm um budget fixo para investir em anúncios online, visto que acabam priorizando gastos como compra de produtos, contratações e caixa.

O mercado que a empresa explora é grande. Segundo o cofundador, são mais de 6 milhões de PMEs no Brasil e foram investidos S$ 5 bilhões em marketing digital no país só em 2019.

Uma estratégia muito interessante que a Divibank utiliza, que ajuda a reduzir o risco do negócio, é fazer securitização dos empréstimos. “Securiti…” o quê?

  • Imagine que a Divibank empreste R$ 1000 ao the bizness e cobre 100 reais de juros. Então, a empresa vende para um banco o direito de receber R$ 1100 reais da gente, por R$ 1030 — faça as contas e veja o que sobra.

Com isso, o risco todo fica para o banco, e a Divibank recebe de forma descontada o valor do empréstimo em pouco tempo. Levando em conta que os clientes são PMEs, isso pode ser muito interessante para redução do risco.

Outro ponto forte da empresa é o smart money que entrou na captação. Um dos fundos que investiu na empresa é o Village Global, que conta com investidores como Bill Gates, Jeff Bezos e Mark Zuckerberg.

  • Mesmo que eles não estejam acompanhando a empresa no dia a dia, eles fazem parte rede de conexões do fundo. Not bad at all.

Pontos de atenção: As empresas que contratam o crédito podem não entender de marketing digital e anúncios, obtendo ROAS — o retorno do investimento em anúncios — negativos, o que torna muito mais difícil o pagamento do empréstimo e do juros.

Assim, é preciso encontrar meios de reduzir esse risco. Fazer uma análise de risco mais precisa? Ensinar às empresas sobre marketing digital? Tomar conta de todo o processo para a empresa? Assessorar o investimento em anúncios?

  • Existem diversas possibilidades. Cabe à empresa decidir o que faz mais sentido, visando reduzir o risco — até tendo em vista que os clientes não são empresas gigantes e extremamente capitalizadas.

🤔 O que você faria se fosse o CEO?

Ler é fácil, difícil é fazer. Nos conte aqui o que você faria se estivesse no lugar dos founders. Qual seria sua estratégia, plano de ação, etc?

📚 Para aprofundar

🪤 Lembre-se: Nenhuma análise aqui é comprada ou possui interferência das empresas estudadas, é 100% independente. Caso queira enviar alguma empresa para que nosso time analisar, fique à vontade. É só clicar aqui.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

mais inteligente em 5 minutos

tudo que você precisa saber pra começar seu dia bem e informado

INDICADOS PARA VOCÊ

MUNDO

Nem vem com essa, COVID

Cientistas da África do Sul identificaram uma nova variante do COVID-19, com um número “muito incomum” de mutações, e temem