Em NY, robôs são novos companheiros dos idosos

“Epidemia de solidão”. Pensando no crescente problema de isolamento social entre os vovôs, o estado de Nova York distribuirá companheiros robôs para mais de 800 idosos.

Estima-se que 14 milhões de americanos com mais de 65 anos vivem atualmente sozinhos e, segundo pesquisa, a solidão a longo prazo é tão prejudicial à saúde quanto fumar.

O que os robôs fazem? Envolvem os usuários em conversas, ajudando a contatar entes queridos e acompanhando metas de saúde, como exercícios e medicamentos — na prática, são como uma Alexa mais proativa.

O líder do projeto defende que a inovação pode ajudar a enfrentar esse crescente problema de saúde, incentivando a independência e proporcionando companhia aos idosos que vivem sozinhos.

  • A tecnologia foca no que importa para os velhinhos: memórias, validação de vida e interações com amigos e familiares.

Mas a utilização é controversa. Os críticos alertam que as máquinas têm o potencial de desumanizar seus usuários, ressaltando que sua implantação reflete o baixo valor que a sociedade atribui aos idosos.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

mais inteligente em 5 minutos

tudo que você precisa saber pra começar seu dia bem e informado

INDICADOS PARA VOCÊ

STORIES

Partilhar

Que amor tão grande Tem que ser vivido a todo instante A cada hora que eu tô longe é um

STORIES

Sentimento feliz

A Ana e o Bruno se conheceram na Alemanha. Ele estava no país pelo Ciências sem Fronteiras, enquanto ela tinha ido cursar toda a

CHAMPS

Do jeito que o povo gosta

A primeira perna de quase todos os confrontos das oitavas de final da Copa do Brasil aconteceram ontem e anteontem, com jogos bem

CHAMPS

Na corda bamba

Não está nada fácil. A seleção brasileira de vôlei masculino está passando por uma fase de altos e baixos. Se a expectativa

CHAMPS

A melhor etapa do ano

Após ficar de fora por dois anos do circuito mundial da WSL, o Brasil voltou a ser palco de uma etapa do

CHAMPS

Isolou?

A grande treta do ano na Fórmula 1 é o porpoising, que, em bom português, são aquelas quicadas que os monopostos dão