Como a educação aumentou os investidores da bolsa? 📚

To the moon. Nos últimos anos, um assunto que antes era exclusivo de engravatados do mercado financeiro passou a ser comentado por muito mais pessoas: a bolsa de valores.

Para você ter uma ideia, nos últimos 10 anos, o número de pessoas que investem na B3 — a bolsa brasileira — cresceu em mais de 10x.

Foi um salto de cerca de 500 mil para mais de 5 milhões de investidoresVeja a velocidade dessa evolução:

O que causou esse crescimento? 📈

renda variável e o mercado de ações, que antes eram vistos por muitos como cassino ou loteria, foram desmistificados através da educação.

  • Você já deve ter percebido que cada vez mais surgem novos influenciadores com conteúdos voltados à educação financeira — um grande gap do nosso sistema de ensino.

Com mais conhecimento, diversas pessoas passaram a olhar o mercado financeiro e a renda variável de outra maneira — mais confiança e entendimento.

O resultado? Um boom no número de investidores, sendo grande parte deles pessoas físicas, especialmente entre a turma mais jovem. Veja:

A maioria dos investidores está entre 26 e 35 anos  💵

É o seu caso? A maioria dos investidores da Bolsa encontram-se nessa faixa etária, somando mais de 1,6 milhões de contas ativas — ou um terço de todas as contas. Em seguida, a faixa entre 36 a 45 anos representa 28,2% do total.

O mais curioso: Segundo dados da B3, em 2013, a porcentagem de investidores entre 25 e 39 anos era de 19% contra 56% de investidores com mais de 60 anos. De lá pra cá, a relação se inverteu, com pessoas com os mais velhos — de 56 anos pra frente — representando apenas 13,5% da Bolsa.

O valor investido, porém, aumenta conforme a idade avança e você pode se aprofundar clicando aqui.

COMPARTILHE

um MBA em forma de e-mail

sua dose de conteúdo sobre os assuntos mais relevantes do mundo dos negócios. análises números e insights.

INDICADOS PARA VOCÊ

BIZNESS

“Crédito ou Débito?”

(Imagem: Giphy | Reprodução) Crédito. Essa parece ser a resposta preferida dos americanos. O inimigo das finanças pessoais está de