O bizness do chocolate 🍫

Hoje é 7 de julho: O Dia Mundial do Chocolate. Para comemorar esta data, nada como falarmos um pouco sobre o bizness por trás desse tão amado doce de cacau.

Sem mais delongas, aqui estão as principais fabricantes de chocolate do mundo, de acordo com quanto elas faturaram apenas com a venda de doces:

Importante reforçar… ⚠️

O gráfico não considera as vendas de todos os produtos das empresas. Se fosse assim, o primeiríssimo lugar seria da Nestlé, que faturou cerca de US$ 85 bilhões em 2020. Dito isso…

Segue o líder 🚀

Simplesmente Mars. Pode ser que você não saiba que empresa é essa, mas com toda certeza conhece — e muito provavelmente já comeu — vários de seus produtos.

  • A companhia está por trás de chocolates como M&M’s, Snickers, Twix e seu tradicional recheado de amendoim com caramelo que leva o nome da empresa (Mars), além de diversos outros rótulos.

Para você ter uma ideia to tamanho da Mars, seu faturamento geral em 2020 — incluindo produtos além de doces e chocolates — foi de quase US$ 40 bilhões, o que faz com que ela seja a sexta maior empresa privada dos EUA.

E no Brasil? 🇧🇷

A empresa de doces com maior penetração no nosso país é a Mondelez. Mais de 60% das famílias brasileiras consomem seus produtos anualmente. Em seguida, vem a Garoto e a Nestlé — com um reconhecimento muito semelhante pelos brasileiros.

  • Novamente, pode ser que você não conheça a líder. Mas a Mondelez está por trás de marcas como Cadbury, Toblerone, Milka e os biscoistos (ou bolachas?) Oreo. Agora ficou fácil de reconhecer, né?

A Mondelez também é dona da Lacta, que possui rótulos como Diamante Negro, Sonho de Valsa, Ouro Branco, Bis, Laka e diversos outros — que estão entre os chocolates mais consumidos no nosso país.

(Foto: Charisse Kenion | Unsplash)

Tá faltando cacau? 🍫

Nos últimos anos, o consumo de chocolate vem crescendo nas famílias brasileiras. Pra te dar uma noção, o alimento faz parte da lista de compras de mais de 80% dos lares brasileiros.

  • Em 2020, o segmento movimentou R$ 11 bilhões por aqui. Nesse período, nossa indústria chocolateira produziu mais de 750 mil toneladas de chocolates, que foram vendidos no mercado interno e exportados.

Quando olhamos para as amêndoas de cacau, nossa produção de 250 mil toneladas por ano — liderada por Pará e Bahia — não cobre a demanda do país.

Mesmo assim, no ano passado, importamos mais de 100 milhões de toneladas de cacau e derivados,sendo que quase metade disso foi de amêndoas de cacau, que vieram principalmente da África.

Pra piorar a situação… 😶

Where’s the chocolate? Atualmente, estamos com o maior índice de falta de chocolate nas prateleiras desde maio de 2020, principalmente por conta do aumento do custo das matérias-primas.

  • Com essa alta do preço dos insumos, os chocolates estão ficando mais caros. E, por conta disso, muitos supermercados não estão repondo seus estoques para priorizarem itens essenciais.

Nesse contexto, a fim de pagarem mais barato, os varejistas (os supermercados estão aqui) enfrentam o desafio de negociar com a indústria, que, por sua vez, tenta repassar o aumento do preço dos insumos para o varejo.

Com isso, a indústria e o varejo estão vivendo um embate para que o custo da produção não seja repassado para os itens nas gôndolas — ou seja, para os consumidores. Quando os preços aumentam, as pessoas tendem a comprar menos, ainda mais com a queda do poder de compra dos brasileiros nos últimos anos.

COMPARTILHE

um MBA em forma de e-mail

sua dose de conteúdo sobre os assuntos mais relevantes do mundo dos negócios. análises números e insights.

INDICADOS PARA VOCÊ

BIZNESS

“Crédito ou Débito?”

(Imagem: Giphy | Reprodução) Crédito. Essa parece ser a resposta preferida dos americanos. O inimigo das finanças pessoais está de